Era uma vez um lenço dos namorados que se metamorfoseou…

22 Abril, 2012 — Deixa um comentário

 
Era uma vez um lenço dos namorados que se metamorfoseou e se
transformou numa manta para bebé bordada em tecidos kuna, usados pelas
mulheres de uma das comunidades indígenas panamenhas.

Esta é a versão condensada de uma história longa, que começa com a
minha mudança para a Argentina. Por não poder trabalhar, dediquei-me a
criar a marca abbrigate*, cujos produtos são fruto da fusão das nossas
tradições com os usos locais. No país austral, as peças eram
tricotadas à mão com lãs locais de primeira qualidade. Com a vinda
para o Panamá, a necessária tropicalização levou a uma mudança radical
das peças tricotadas à mão para mantinhas bordadas. E a tradicional
mensagem da namorada para o seu prometido transformou-se numa
declaração de amor dos adultos para o bebé que tanto esperam.

Feitas em algodão e com recheio de flanela de algodão, as mantas
combatem os ventos polares soprados pelos temíveis ares condicionados,
sempre programados para gelar qualquer um até aos ossos. E é por esta
razão que neste recanto da América Central se tem ficado a conhecer
esta nossa tradição, a da minuciosamente bordada declaração de amor
portátil.

Quem compra as mantas é conquistado pela história do lenço dos
namorados e o bordado no tecido kuna. A manta, para além da sua função
prática imediata, marca o momento das suas vidas em que viveram no
Panamá, em que nasceram os seus filhos, em que se cruzaram com estes
portugueses que gostavam de partilhar as suas tradições.

E é assim que a imagem do nosso país vai sendo exportada, uma manta de cada vez.

Mais informação em www.abbrigate.com

(Texto e imagens: Ana Isabel Ramos)

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*