Dietas

28 Julho, 2013 — Deixa um comentário

Portugalize.Me_Portugal a dar que falar

Na semana passada, estive a milímetros de um ataque de nervos. Falo em sentido literal: o stress foi tanto que tive insónias praticamente toda a semana. E porquê? Por causa de trabalho. Ou melhor, por causa da permeabilidade entre trabalho e vida pessoal.

A única culpada sou eu. Não foi a minha superior hierárquica (eu), nem os clientes. Fui eu sozinha que me meti no buraco; felizmente dei conta antes de me soterrar debaixo do peso do excesso de informação.

Confesso: nunca fui uma enorme fã de gadgets, até o iPad e o iPhone entrarem na minha vida. O primeiro é usado para lazer. Já o iPhone, um aparelho absolutamente maravilhoso, infiltrou-se na minha vida e esbateu a fronteira entre trabalho e lazer. Estar sempre contactável nem sempre é bom: os clientes habituam-se (porque nós os habituamos) a receber resposta ao Domingo. E quando não recebem, estranham.

As redes sociais são outro buraco negro onde o tempo parece evaporar. Uso-as não só de forma pessoal como também profissional; qual foi o resultado? O mesmo: onde termina uma coisa e começa a outra?

Assim foi que cheguei a uma sexta-feira com um total de doze horas dormidas durante a semana, às voltas na cama, com o coração aos saltos e sem o conseguir acalmar. Tomei a decisão de cuidar de mim. Se não o fizer, quem fará?

Alarguei o fim-de-semana e desliguei o telefone, não abri email nem redes sociais. Escolhi apenas uma distracção, a leitura, e de uma penada terminei um título e avancei o segundo. Dormi sestas os três dias e fiz noites completas. Não me preocupei com registar paisagens bonitas nem pratos bem servidos para partilhar no Instagram; limitei-me a admirá-los e depois saboreá-los.

Delineei uma estratégia de ataque ao stress: sair mais cedo do trabalho, não ver email no telefone, limitar as redes sociais à actividade profissional, a acontecer durante o respectivo horário. E ao fim-de-semana, descansar, cozinhar se estiver em casa, ocupar-me com programas que me apeteçam fazer, seja ler, encontrar-me com amigos ou ir à praia. No fundo, uma dieta de tecnologia.

E por falar em dieta, há uns dias arranjava um enorme molho de espinafres quando me lembrei do Popeye e dos seus músculos de ferro. Pensei que aquela actividade, simples e repetitiva, mais do que braços hipertonificados me proporcionava uma mente relaxada e um ritmo cardíaco suave. Ou seja, todo o contrário de stress.

E vocês? Já se sentiram à beira do abismo? Que fizeram?

(Texto e imagem: Ana Isabel Ramos)

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*