O velho, não é velho, é o tempo que passa

6 Agosto, 2013 — Deixa um comentário

Portugalize.Me_o tempo que passa

Já não sei em que ano estava, mas lembro-me do momento, por ser ainda estudante universitária e de fazer a viagem de comboio Lisboa/ Guarda, Guarda/ Lisboa vezes sem conta.

Adorava estas viagens de comboio, das partidas e dos regressos constantes, das bandas sonoras que compunham cada troço, das paisagens que iam ilustrando o andar da carruagem.

Sei que era uma tarde quente e das poucas vezes que ousei tirar os phones, o passageiro da frente perguntou-me de onde vinha, para onde ia, o que fazia. Variadas coisas que não me recordo ao certo. Sei que falamos um pouco e a dada altura falamos de Lisboa. O passageiro desconhecido era brasileiro e viajava por Portugal.

Ele não percebia o porquê dos lisboetas se incomodarem tanto com os prédios velhos e degradados da cidade. Isso era-lhe estranho, porque aquilo tinha um significado mais profundo do que a tinta desgastada ou uma parede caída. “Em Lisboa dá para sentir o tempo a passar. Os prédios velhos são o tempo que passa. Ali há história. O tempo fica ali, marcado.”

Não sei o que lhe respondi, apenas sei que nunca mais me esqueci do que me disse e que, a partir desse momento, passei a olhar para os prédios abandonados de Lisboa de uma forma mais poética, a tentar imaginar as histórias cravadas em cada fissura, em cada janela partida.

As coisas não são velhas, são o tempo que passa por elas.

(Texto e imagem: Raquel Félix/ Portugalize.Me)

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*