Cozinhar com cavala, o melhor do nosso mar

25 Março, 2014 — Deixa um comentário

Portugalize.Me_Cozinhar com cavala

No dia 22 de março, fui ao Mercado 31 de Janeiro, em Lisboa, pelas 10 horas da manhã para participar numa aula de culinária gratuita. “Cozinhar com cavala, o melhor do nosso mar” era o título do evento, conduzido pela Chef Patrícia Borges, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar.

Quando me inscrevi através da Junta de Freguesia de Arroios, promotora do evento, e dado que era uma aula gratuita, imaginei que a assistência ficasse apenas a observar a confeção das receitas. Nada disso! Docapesca chegou-se à frente e forneceu os peixes: umas senhoras cavalas – as verdadeiras cavalonas -, com cerca de dois quilos, que amanhámos, limpámos, cortámos em lombos.

A seguir, observámos e participámos na confeção de duas receitas – canapés de cavala em conserva sobre cama de pasta de azeitonas; e filetes de cavala com molho de limão e alcaparras com arroz carolino com leite de coco.

A cavala (conhecido em inglês como mackerel e em francês maquereau) é um peixe rico em óleos essenciais – como o omega 3 e o omega 6 -, vitaminas A, B, C, D e E, antioxidantes  e minerais como o cálcio, o ferro, o magnésio, o fósforo e o potássio.

Para além de todos os benefícios que tem para a saúde, apregoa ainda outras importantes vantagens – é uma espécie abundante, que não está ameaçada de extinção (como outras que continuamos a comer), vive feliz nas águas portuguesas e é um peixe barato.

Cereja no topo do bolo – não tem escamas! O que torna o processo de amanhar o peixe muito mais fácil!

Na verdade, o equilíbrio da balança em termos de oferta e procura parece um pouco ridículo: as espécies que mais consumimos não se pescam nas nossas águas, portanto temos que as importar – sim, o bacalhau é um dos casos mais flagrantes! – e as espécies que existem em abundância no nosso mar, desprezamo-las ou exportamo-las, porque não temos poder de compra para as consumir.

O caso da cavala é interessante – fazia parte da nossa gastronomia, juntamente como a sardinha, mas a dado momento passou a ser considerado como “peixe de pobre” e fomos deixando de o consumir; está agora a voltar a ganhar popularidade, graças à revalorização das conservas (a cavala em conserva é um dos nossos melhores pitéus). De facto, como diz a jornalista Teresa Firmino no seu trabalho Temos o melhor peixe do mundo, mas conseguimos comprá-lo?:

Não podermos produzir tudo, mas poderemos produzir algumas coisas muito bem. O objectivo será conseguirmos consumir cada vez mais o nosso bom peixe e marisco em vez da pescada barata que vem do outro lado do mundo.

A aula de culinária foi um evento bem passado, em que até participou o ator Paulo Pires (as velhotas do mercado ficaram aos pulos!), e numa hora tinha aprendido algumas coisas novas, que me fizeram chegar a casa e confecionar esta entrada.

____________________________________________________

Torricados com cavala em molho de azeitonas e limão

Ingredientes:

5 fatias de pão de abóbora com sementes

5 lombos de cavala

10 azeitonas verdes

Sumo de um limão grande

80 ml de vinho branco

2 colheres de sopa de farinha de milho

Sal

Pimenta

Azeite

Temperar os lombos de cavala com sal e pimenta. Deixar repousar 30 minutos.

Colocar a farinha de milho num prato e passar os lombos, cobrindo completamente o peixe com a farinha.

Aquecer um fundo generoso de azeite numa frigideira pequena. Quando o azeite estiver bem quente, colocar os lombos e deixar dourar de um lado. Quando virar os lombos, acrescentar as azeitonas picadas e o sumo do limão.

Deixar dourar do outro lado. Voltar a virar uma vez de cada lado, retirar – a cavala coze muito rápido,  todo o processo dura cerca de 6 minutos – e deixar escorrer sobre papel absorvente.

Entretanto, juntar à frigideira o vinho branco e deixar reduzir em fogo médio-alto, mexendo de vez em quando. Quando o líquido tiver reduzido para metade, retirar do lume e pincelar as fatias de pão com este molho.

Colocar um lombo de cavala em cima de cada fatia de pão; por cima, verter uma colher de sopa de molho, procurando apanhar as azeitonas.

(Texto, Receita e Imagem: Ana/ Cozinhar Sem Lactose – Parceira do Portugalize.Me)

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*