Coisas de graúdos portugueses

17 Abril, 2014 — Deixa um comentário

toyno_for grown ups

Ele há coisas de graúdos que parecem de miúdos e é por serem assim mesmo que, coisas desta natureza, se desmarcam da rigidez dos costumes, da normalidade aborrecida, do habitual acostumado, dos quadrados do dia a dia, da monotonia pachorrenta, dos saberes decorados…

O que vemos quando olhamos? E é preciso olhar bem para se poder ver como deve de ser porque às vezes os olhos enganam!

Fui mostrar a minha obra-prima às pessoas crescidas. Perguntei-lhes se o meu desenho metia medo. As pessoas crescidas responderam: “Porque é que um chapéu havia de meter medo?” O meu desenho não era um chapéu. O meu desenho era uma jibóia a fazer a digestão de um elefante. Para as pessoas crescidas entenderem, porque as pessoas crescidas estão sempre a precisar de explicações, fui desenhar a parte de dentro da jibóia.” (O Principezinho, Antoine de Saint-Exupéry)

O que vemos quando olhamos? Um elefante, um crocodilo, um burro?

family-photo21

Na toyno, quando se olha vê-se o Ello, o Nillo e o Donko… porque os graúdos (segundo consta são “adultos” que não se conformam com o facto de terem crescido acima de 1 metro) vêem para além das evidências e consequentes aparências.

E agora? O que é que vê? Use o olhar à la graúdo da toyno… vai conseguir ver mais coisas… olhe com atenção…

Giffo_toyno

É a Giffo… isso mesmo!

Porque uma família assim merece um “olhar” diferente. Não acha?

(Texto: Raquel Félix – Portugalize.Me/ Imagens: toyno)

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*