Conta-me coisas que eu não sei…

6 Março, 2017 — Deixa um comentário

Conta-me coisas que eu não sei, que eu nunca vi. Coisas que desconheço por completo ou parte apenas. Conta-me porque preciso delas para tomar mão viva da terra que habito e pé firme da calçada que diariamente piso. Que cidade é esta? Que cidade queremos que seja?

Lisboa de tantas e diferentes camadas. Vincada de sulcos profundos, que não se deixa levar facilmente pelas “palavrinhas mansas” de um crescimento fácil e fulminante. Resiste, resiliente e fogosa ao tempo. Não tem qualquer tipo de vergonha na cara quando mostra as suas rugas, as falhas. Lá sofre de algum reumático, aqui e acolá. Nada que a derrube porque o que não mata passa simplesmente a fazer parte da vida, do dia a dia.

E tem tantas histórias, tantas conversas de rua que encheriam cancioneiros, enciclopédias, manuscritos, papiros. A cidade é a folha onde diariamente, personagens e vivências se escrevem. E depois ficam ali, perenes, inscritas bastando passar pelas ruas para lhes sentirmos o cheiro, as bandas sonoras, as variadas métricas, os ritmos.

Que miscelânea, que mistura! Tão única e particular. Tão própria, tão pessoal. Lisboa só se conhece e sente numa relação muito pessoal, direi mesmo íntima.

Ela seduz-nos, chama-nos… Lisboa tem uma necessidade gritante de falar, de se mostrar, de comunicar a toda a hora. Vocifera alto e bom som quando acorda… sussurra palavras doces e calmas quando adormece.

E no pico do dia, conversa com tudo e com todos. Gato, cão, pomba, vizinho ou vizinha, estrangeiro, transeunte, noctívago, madrugadores, cacilheiros… tudo, sem excepção porque tudo é cidade, tudo é Lisboa.

Texto e imagens: Raquel Félix – Portugalize.me

Não há comentários

Sê o primeiros a começar uma conversa

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*