Enciclopédia da Agulha

15 Setembro, 2013 — 6 Comments

Portugalize.Me_Enciclopedia da Agulha

Aqui há tempos comprei um livro que me chamou imediatamente a atenção: na capa, um detalhe de um bordado de Castelo Branco e o título, em letras grandes, “Enciclopédia da Agulha”.

Folheei-o e não resisti a comprá-lo. Num só livro estão elencados pontos de bordado, algumas técnicas básicas de costura, crochet, tricot, rendas de várias proveniências e até frioleiras. Frioleiras!

Já em casa, sentada no sofá, peguei no livro e li-o de fio a pavio; detive-me com mais atenção numas instruções, e com menos, noutras. Mas o que mais gostei, mesmo, foi do início. O texto inicial é um sinal dos tempos – e da mudança deles.

Publicada originalmente em 1960 (segundo sei, em forma de fascículos), o prólogo desta enciclopédia fala de coisas que hoje nos parecem tão distantes quanto a Lua. Fala-nos da mulher a fazer lavores como o arquétipo da beleza feminina; da utilidade desses conhecimentos como forma de ajudar o marido a compor o orçamento familiar; lembra-nos de um tempo em que o homem era o pai providente e a mulher era a mãe que faz de uma casa, um lar.

Não admira que a minha geração tenha querido romper com esta pesada tradição, desinteressando-se de toda e qualquer coisa que tivesse que ver com uma distribuição vincada e antiquada dos papéis dos géneros.

Alegra-me, portanto, o regresso às tradições a que temos vindo a assistir de uma forma cada vez mais interessante. A crise, que tem tão pouco de bom, poderá ter precipitado um pouco este redescobrimento das técnicas tradicionais pela minha geração e seguintes.

Parece-me muito interessante este entusiasmo, que reconheço não só em mim como também à minha volta; e ainda mais interessante é observar que a questão do género está muito menos vincada. Cada vez mais se vêem homens a bordar e a tricotar, entre tantas outras actividades anteriormente ditas “femininas”. O mesmo acontece com as mulheres no âmbito das actividades “masculinas”.

É interessante olhar para trás e ver quanto mudaram o nosso país, o mundo e os nossos preconceitos, e imaginar o quanto podem ainda mudar no futuro. Voltar a materiais e técnicas tradicionais parece-me uma conquista maravilhosa da nossa geração, sobretudo porque podemos fazê-la. Já não precisamos de recusar liminarmente os conhecimentos básicos de costura porque a agulha, hoje, já não é um instrumento de opressão feminina. Diria mais: o tricot, crochet, bordado e tantos outros lavores são hoje formas de expressão; as linhas equivalem a tintas; as agulhas, a pincel.

O fim do século XX apontava para uma loucura de máquinas, computadores, digitalização e o mundo completamente feito de zeros e uns. Quando comecei a faculdade, vivemos a transição dos desenhos feitos à mão para a mediação do computador. De repente, aquela ferramenta poupava-nos de um rol infinito de dores de cabeça. Qualquer desenho saía imaculadamente perfeito da impressora, graças a todos os “undo” e “zoom in” que a ferramenta nos permitia. No meio do nosso entusiasmo histérico, esquecemo-nos de que o computador não era mais que um lápis sofisticado; a génese da ideia teria sempre de estar na nossa cabeça, nunca na máquina. Houve uns tempos em que os computadores ditaram a moda, e não me esqueço de quantos trabalhos cheios de tecnologia mas vazios de conteúdo vi nas aulas da faculdade.

Mas houve um momento em que a tendência mudou: actualmente, observamos o regresso às tradições, à marca do manual como forma de imprimir um carácter único a cada coisa. Depois do anonimato da linguagem dos computadores, cada vez se procura mais o que é único, genuíno, próprio de cada um. E os gadgets, ao contrário do que aconteceu com os computadores no fim do século XX, em vez de serem um fim, transformaram-se num meio, meio esse que permite documentar e veicular esta mudança.

E é também através destes gadgets documentadores que hoje sigo artistas – homens e mulheres – que escolhem as agulhas como pincéis e deixam a sua marca no mundo.

Este é um período muito excitante, em que tudo muda muito depressa. Reler hoje a Enciclopédia da Agulha, tão completa e tão antiquada, é uma forma de avaliarmos como a nossa relação com a tradição mudou tanto – e ainda bem.

(Texto e imagem: Ana Isabel Ramos)

6 responses para Enciclopédia da Agulha

  1. and more than 28 markets around the globe using our Buffett Indicator and Global Market Valuation Data buy cheap generic cialis uk For, as far as I was concerned, it was sufficient to have seen the burning of the bodies, the burning of the bodies

  2. Pertanto, l inibitore ГЁ un rimedio affidabile ed efficace contro l impotenza maschile paxil or priligy This email and the subsequent reaction to it have interrupted their lives

  3. cialis professional Take this build at least 50 minutes before planned sexual activity

  4. It s best to do a medical consultation to know which product can accommodate your needs cialis dosage The pictures themselves open up for us a Comprare Tadalafil On line into that Cialis super Active From India world in which dream and waking are integrated in the visionary process of the creative expression of some other or different vision of objects and nature, Comprare Tadalafil On Line, of animate and inanimate beings, a vision to which we have so far not become accustomed

  5. Among women not using an antidepressant, the presence of currently active MD N 72 was not associated with poorer fertility outcomes live birth, miscarriage ; but rather was associated with a slightly increased likelihood of pregnancy RR 1. clomiphene citrate for men side effects The report does not describe an a priori hypothesis or sample size calculation.

  6. reviews on tamoxifen 23 for thecommencement of a hearing on eligibility challenges, whichlargely focused on the constitutionality of Detroit s bid toseek protection from its creditors.

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*