Eu não sou uma Maria rapaz, eu sou uma Maria rapariga!

19 Fevereiro, 2014 — 6 Comments

Portugalize.Me_Maria Rapariga

Sabia que, em Portugal, entre 57.000 crianças e jovens até aos 12 anos que praticam futebol/futsal, apenas 800 são raparigas?

Dei de caras, por puro acaso, com a campanha “Maria Rapariga” desenvolvida pelo Rui Quinta para a Associação Portuguesa de Mulheres no Desporto (nem a propósito, já que ontem vos revelei que eu própria joguei futsal durante a minha adolescência). Este projecto, materializado em 3 vídeos, foi lançado em 2012 e, apesar de ter tido a sua repercussão no meio, passou despercebido aos olhos de muitos portugueses. Tal como revela o Rui: “Estes 3 vídeos, mais do que a ideia, são uma pergunta uma resposta. Mais do que revolta, provocação e desafio. Apelam a gente diferente e são tão “normais” como ver uma criança, adolescente ou mulher profissional de futebol a jogar à bola.

Sempre gostei de jogos de equipa e tive, infelizmente, as minhas dificuldades em encontrar um lugar onde pudesse jogar e competir com uma “camisola”. O facto de ter vivido a minha adolescência numa terra pequenina da Beira Alta não abonou muito a meu favor mas, sempre tive o apoio dos meus pais e de dois professores que marcaram a minha vida desportiva (obrigada professor Rogério e professora Isabel Chegão). Adorava jogar à bola na rua mas, claro está, sempre com rapazes porque as raparigas não aderiam à coisa, só mesmo a minha irmã que sempre foi muito mais à frente, também.

Eu era a “Maria rapaz”, aquela que os professores da escola primária escreviam nas fichas de avaliação do aluno como a que não se integrava “no grupo”. Grupo? Na altura do Estado Novo vivia-se a plena separação, escola de meninas de um lado e escola de meninos no outro, porque tudo junto era pecado, porque a saudável convivência conspurcava a mente das pobres e castas meninas. Por vezes sentia que ainda estava algures no tempo do Salazar, apesar da minha muito tenra idade, lá está, valiam-me os meus pais, a minha irmã e os meus amigos da bola. O estigma de não corresponder a um suposto padrão esteve sempre presente mas, não me abalou.

Depois da primária veio a escola preparatória onde joguei basquetebol numa equipa de rapazes no âmbito do desporto escolar. Era eu e a Anabela. Nós queríamos jogar, desse por onde desse. Não havia equipa feminina… azar, faça-se uma mista. E assim foi. O professor Rogério lá falou com as entidades do desporto escolar e lá nos pôs a jogar no meio dos rapazes. E assim foi, durante 2 anos. Não ganhámos nenhum título. Ficou a amizade, o respeito e o enorme prazer de jogar.

Depois veio o Liceu e a professora Isabel Chegão que punha toda a malta a mexer. De tal maneira que pôs uma equipa feminina de futsal a vencer pela Escola Secundária de Pinhel!

As supostas “coisas” de meninos fizeram de mim uma criança e uma adolescente muito feliz e muito integrada (contrariando o que os meus professores da primária escreviam, pensavam e projectavam para mim).

Apesar de já ser Fevereiro, recupero os votos da Catarina Furtado, voz activa neste projecto: “São muitos os jovens e crianças que praticam futebol ou futsal em Portugal. Contudo, apenas uma pequena parte são meninas. Vestir a camisola do Jogo das Raparigas, um projecto nacional desenvolvido pela Associação Portuguesa Mulheres e Desporto, é sinónimo de combater a invisibilidade e as desigualdades da participação de raparigas e mulheres no meio desportivo, nomeadamente, naquelas duas modalidades. Como sabem, a luta pela igualdade de direitos é uma das minhas maiores motivações e, foi por isso que, juntamente com o Pauleta me associei a esta campanha. Deixo-vos um dos vídeos e uma mensagem: não existem “desportos de menino”, apoiem as vossas filhas/amigas/namoradas… Vamos começar 2014 sem preconceitos!” – Mensagem deixada no facebook no dia 2/1/2014

(Texto: Raquel Félix/ Portugalize.Me)

6 responses para Eu não sou uma Maria rapaz, eu sou uma Maria rapariga!

  1. cialis online pharmacy I am a 35 yr old man and have been having ED due to high work and life stress

  2. She never fall in your experience priligy uk

  3. Cialis doesn t have much of an effect on blood pressure or heart rate even with moderate consumption during the day buy cialis online 20mg

  4. Eggs released through the liver; also basic, and critical care units haemodialysis or formally cialis cheapest online prices

  5. side effects for clomid Surgery was needed immediately to avoid permanent brain damage.

  6. natural tamoxifen alternatives Extracting lycopene from natural source like tomato and watermelon which contains the highest amount of lycopene leads to a non-toxic colouring agent which can be used in bioplastic colouring.

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*