Levar o pão na memória…

27 Abril, 2012 — 7 Comments

Quando era criança, os meus pais tiveram a oportunidade de ir trabalhar para a Ásia, mais exactamente para Macau. Para mim, naquele tempo, a Ásia era o outro lado do mundo, um continente completamente desconhecido, que não conseguia imaginar, portanto não sabia o que esperar. Essa notícia deixou-me aflita, assustada, confusa e só parei de chorar quando o meu pai me prometeu que me comprava um boneco de peluche do meu tamanho. Bom, um sítio onde havia bonecos de peluche do meu tamanho não havia de ser tão mau assim…

Nos primeiros tempos em Macau, vivi momentos de excitação e curiosidade perante esta nova aventura, mas também senti dificuldades de adaptação. Sentia falta das coisas conhecidas, dos cheiros e sabores a que me tinha habituado desde pequena. A comida era tão diferente! Quando chegávamos a um restaurante para comer, havia um vazio na mesa que me fazia sentir uma falta imensa de uma coisa tão simples e tão portuguesa – não havia o pão de Mafra cortado às fatias e os pacotinhos de manteiga para barrar.

Para uma pessoa que sai do país, em criança ou já adulta, uma das coisas que mais falta sente são indubitavelmente os sabores da comida portuguesa, indissociáveis das memórias infantis, da presença de uma mãe que cuida de nós e nos alimenta, do sentimento de estar em contacto com algo que tem a ver com as nossas origens e a nossa identidade.

Por melhor que seja o sítio para onde se vai, e por muito que se aprecie a gastronomia dos outros países, há sempre um momento em que cada pessoa tem saudades do seu “pão com manteiga”. Por isso, para todos os que sentiram, sentem ou irão sentir saudades do pão à maneira portuguesa, aqui fica uma receita de um dos meus pães tradicionais preferidos – a broa de milho. Com uma variante – utiliza-se farinha de trigo integral em vez de farinha branca.

Eu faço esta receita numa batedeira profissional, com a vareta de amassar; mas a mesma receita pode ser usada na máquina do pão, no robot de cozinha ou mesmo amassando manualmente.

Broa de milho

250 g farinha de milho

250 g de farinha de trigo integral

1 colher de chá de sal

2 colheres de sopa de mel

2 saquetas de fermento para pão

300 ml de água tépida

Junta-se o fermento e o mel. Adiciona-se a água tépida e deixa-se repousar 15 minutos, tapado por um pano.

Entretanto, juntam-se as duas farinhas com o sal, envolvendo bem com uma colher de pau. Abre-se uma cova no meio. Nesta cova, verte-se a água com o fermento, que terá formado uma espuma. Cobre-se com um pouco mais de farinha de trigo e deixa-se repousar durante 15 minutos.

Bate-se então a massa durante 6 a 10 minutos em velocidade 2, até formar uma bola. Coloca-se num tabuleiro de ir ao forno, coberto com um pano húmido, e deixa-se levedar durante 2 horas.

Leva-se ao forno a 210º durante 30 minutos, findos os quais se baixa a temperatura para 150º, durante mais 15 minutos. Desliga-se o forno e deixa-se a broa a acabar de cozer durante mais 10 minutos.

Tira-se do forno e deixa-se esfriar um pouco antes de cortar.

Pode servir-se como entrada, cortada em fatias levemente torradas, com pimento grelhado, um fio de azeite e ervas.

(Texto e imagem: Ana Teresa Vale)

7 responses para Levar o pão na memória…

  1. best cialis online Standard of care is the expected level of care a patient receives from a health care provider

  2. Despite the potential advantages of chronic dosing compared to on-demand regimens, taking a treatment 3 times per week seems not to be very easy and convenient for a majority of men with ED buy priligy generic fraud However, even if doctors appear to be employed at the pharmacies, this is no guarantee for a safe drug-shopping experience for patients; in 2 out of the 3 cases where Viagra was delivered, physicians appeared to have approved the prescription, recalling the problem of the questionable credentials of cyberdocs 3

  3. purchase cialis online cheap Clindamycin phosphate benzoyl peroxide generic for BenzaClin

  4. cialis without prescription As a result, the erection can be achieved faster

  5. letrozole vs clomid for fertility This came with a high risk of having twins, triplets, or even higher-order multiples.

  6. Middle-aged The man smiled contemptuously. nolvadex for sale amazon

  7. In contrast to negative signaling, B7 sequestration by CTLA- 4 does not require CTLA- 4 cytoplasmic tail, and is instead regulated by the levels of surface expression of CTLA- 4. doxycycline for mrsa A total of 198 patients with a wide range of complaints attended one to five consultations with 20 homeopathic doctors.

Deixe uma resposta

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*