As porras e carvalhadas do pós-eleições

27 Maio, 2014 — 7 Comments

Memoria_Berlim_Portugalize.Me

Não tenho jeito para “escríticas” políticas (roubo o termo escrítica ao MEC). Quando falo o discurso sai-me irado, em tom de protesto, revoltado, em modo de disparos para todos os lados, por julgar que há sempre alguma coisa a apontar a uns e a outros, a todos.

Mesmo assim, apesar da minha revolta, julgo que a importância de se falar, opinar e idear sobre política deva estar presente nas nossas cabeças e sair delas, mesmo que seja de vez enquanto, por breves instantes apenas.

No passado Domingo, eu fui votar. Tentei demover mais duas pessoas para o acto eleitoral. Uma foi bem bem sucedida, a outra, falhou. Presa aos 50% de hipóteses pelo meu acto de cidadania, pensei que a abstenção viesse a ser menor do que em anos anteriores, apesar do futebol, apesar do rock, apesar das projecções apontarem para o contrário.

E foi o contrário, 66,1% dos portugueses não foram votar.

No dia seguinte li e ouvi muita gente mandar outras “pastar”, “catar macacos”, “meterem-se nas suas próprias vidas”… muitas “porras”, “merdas” e “cavalhadas”, palavrões sem fim, angústias reprimidas, chinelos no pé, mãos na anca para desancar, achincalhar… o mote de tanto fel não era o resultado das eleições em si, mas a defesa do direito ao não voto.

Foda-se! Andamos tão cheios de nós, com o peito inchado por direitos próprios que, durante as 24h seguintes às eleições, foi mais importante falar-se do direito ao não voto do que do panorama medonho que se acabava de instalar na Europa.

O berço da democracia moderna, a velha Europa, fonte de inspiração da Primavera Árabe, acabava de abrir as portas ao neonazismo e, muitos de nós, acordaram indignados pela carapuça do direito ao não voto, por serem chamados a uma razão que não é mais do que isso, uma razão, não a razão.

A diversidade, as minorias, a livre escolha, a democracia, os peitos cheios de direitos feitos propriedade particular saem fortemente feridos destas eleições.

O passado não nos ensinou o suficiente? Quantos de nós o conhecem? Quantos o levam a sério?

Ao que parece, poucos, muito poucos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

(Texto e imagens: Raquel Félix – Portugalize.Me)

7 responses para As porras e carvalhadas do pós-eleições

  1. 329426 307056I see something really particular in this internet web site . 273698

  2. 847096 276992There is noticeably a great deal to realize about this. I suppose you created certain good points in functions also. 833159

  3. 175428 761352I saw your post awhile back and saved it to my computer. Only recently have I got a chance to checking it and need to let you know nice function. 598109

  4. 182550 51019Sweet site , super pattern , rattling clean and use friendly . 974631

  5. 381909 947148I appreciate your function , thanks for all the informative weblog posts. 679607

  6. 889704 38864Really clear site , regards for this post. 154789

  7. 512693 409301Gratitude for building this send! I in reality comprehend the no cost information. 406402

Deixe um comentário

Text formatting is available via select HTML.

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

*